topo

Download Free Templates http://bigtheme.net/ Websites Templates

A tireoide ou tiroide é uma glândula em forma de borboleta, que fica localizada na parte anterior e inferior do pescoço. Tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas no adulto e é responsável pela produção de dois hormônios: T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que atuam em todo nosso organismo, regulando o metabolismo.

As patologias mais comuns que afetam a tireoide são:

- Hipotiroidismo: deficiência na produção dos hormônios tireoidianos, como se o corpo funcionasse mais lentamente. É uma doença bastante comum que pode apresentar vários sintomas: cansaço, sonolência, ganho de peso, queda de cabelo, pele seca, dificuldade para concentração, depressão, constipação intestinal, alterações menstruais, entre outros. Porém, em fases iniciais, o paciente pode não apresentar sintomas. O diagnóstico se faz por meio da dosagem de hormônios no sangue. É uma doença que afeta mais as mulheres e frequentemente há história familiar para essa patologia. Em cerca de 95% dos casos, hipotireoidismo é devido a um problema na própria glândula tireoide e é chamado hipotireoidismo primário. No entanto, certos medicamentos e doenças também podem diminuir a função da tireoide.

O tratamento do hipotireoidismo baseia-se na reposição de hormônio tireoidiano, chamado de levotiroxina, que deve ser tomado uma vez ao dia em jejum. O objetivo é a normalização dos níveis sanguíneos dos hormônios tireoidianos. Na maioria das situações, hipotireoidismo é irreversível e assim, o tratamento deve ser para toda vida.

Devemos ter atenção especial às mulheres com hipotireoidismo que estejam grávidas ou tentando engravidar. Quando mal tratado, o hipotireoidismo pode trazer prejuízos importantes para a gestação. Quando uma mulher com hipotireoidismo engravida, normalmente há necessidade de aumento da dose da levotiroxina.

- Hipertireoidismo: excesso na produção de hormônio tireoidiano. Os principais sintomas são: insônia, agitação, sensação de calor, perda de peso, palpitações, tremores, aumento das evacuações, irritabilidade e ansiedade. Pode ser uma doença grave se não tratada.

A principal causa do hipertireoidismo chama-se doença de Graves. Em pessoas com doença de Graves, o sistema imunológico produz um anticorpo que estimula a glândula tireoide a produzir excesso de hormônio tireoidiano. Isso é mais comum em mulheres entre as idades de 20 e 40 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade, em homens ou mulheres. Algumas pessoas desenvolvem problemas nos olhos (chamado oftalmopatia de Graves), o que faz com que os olhos fiquem secos, irritados ou vermelhos, e em alguns casos, os olhos podem ficar “saltados” As manifestações mais graves da doença ocular são incomuns, exceto em fumantes.

Outras causas comuns de hipertireoidismo são a presença de nódulos que produzem hormônios da tireoide em excesso e uma doença chamada de tireoidite subaguda, que é uma patologia que causa inflamação da tireoide levando a liberação de hormônios que estão armazenados.

O diagnóstico do hipertireoidismo se faz por meio da dosagem dos hormônios tireoidianos no sangue. Exames complementares que podem ajudar no diagnóstico são a ultrassonografia da tireoide e a cintilografia da tireoide. O tratamento pode ser por medicações orais, iodo radioativo ou cirurgia, dependendo da causa do hipertireoidismo e da condição clínica do paciente.

- Nódulos tireoidianos: é uma patologia bastante comum, estima-se que em certas faixas etárias, 50% da população possam ter nódulos da tireoide. Na maioria dos casos, os nódulos são assintomáticos e não causam alterações nos exames dos hormônios tireoidianos. Apenas 5% dos nódulos tireoidianos são câncer. Portanto, é importante avaliar quais os nódulos suspeitos. Os exames mais indicados para essa avaliação são a ultrassonografia da tireoide, no qual o médico pode medir o tamanho do nódulo e avaliar suas características para determinar se há necessidade de realizar a punção aspirativa com agulha fina. Na punção aspirativa, são retiradas algumas células do nódulo para avaliação ao microscópio e assim determinar o grau de suspeita de malignidade para aquele nódulo.

Nódulos muito grandes que causam desconforto ou para aqueles que são suspeitos de serem malignos (câncer), indica-se cirurgia da tireoide. Nódulos com características benignas devem ser acompanhados.